terça-feira, junho 03, 2003

O Mete a Boca está, a partir de hoje, encerrado!

segunda-feira, junho 02, 2003

RJR anuncia sua saída do Mete a Boca, depois de muito tempo de árduas contribuições, e informa que a partir de agora está falando merda em seu novo blog, o Mesa de Botequim. Para os que ficam com o Mete a Boca, sinceros agradecimentos pela audiência.

domingo, junho 01, 2003

Coisas de Vera Loyola
Hoje presenciei uma cena absolutamente bisonha. Estava eu no shopping Iguatemi quando avisei uma japa com um cão poodle no colo. Até aí, nada de mais. De repente, vi que o cachorro tinha sapatinhos vermelhos no pé. Um em cada patinha! Isso sem falar nos lacinhos na cabeça! Coitado do bichinho, estava passando vergonha...

sexta-feira, maio 30, 2003

Vergonha
É impressão minha ou o Bóris Casoy está fazendo uns trejeitos muuuuuuuito gays na TV?
Cof
Gripe @#$@¨&$%%¨&%¨%¨$$#%#$%#$%#$!!!!!!!!!!!!!!

quinta-feira, maio 29, 2003

Classificados
Este, definitivamente, é o anúncio do ano.
Sexta-feira 13
Acordei hoje com a serra elétrica dos moços da Prefeitura, que resolveram cortar uns galhos de árvore lá na rua. Claro, tinha que ser bem cedo, afinal pra quê cortar galhos de árvore mais tarde? O melhor de tudo foi acordar assustada com o barulho da motosserra, foi como se Jason tivesse ao vivo dentro do meu quarto.
Discovery Channel
Gildete, a santa toma-conta-de-tudo lá de casa, encontrou nada mais, nada menos, do que uma TATURANA fazendo uma confortável casinha no meu casaco de microfibra. Que ela queira virar uma vistosa borboleta e sair por aí alçando vôos, tudo bem. Mas que ela vá fazer buracos no meu casaco, poupem-me - aliás, o bichinho fez uma mancha feiosa no sofá também. Agora, vem a pergunta que não quer calar: como ela foi parar lá???????

Aliás, se pensar bem, ela é inspiradora... no frio, ela resolveu fazer uma casinha e ficar lá um tempão hibernando. Exatamente como eu gostaria de fazer: fazer um casulo com o edredon e só sair de lá sabe lá Deus quando! Munida de um controle remoto e de chocolate quente.

P.S: Para os defensores da natureza, a lagartinha não foi eliminada. Foi delicadamente colocada em uma árvore para que pudesse fazer outra casinha.

quarta-feira, maio 28, 2003

Mais Menudo
Aliás, eu tinha um disco do Menudo. Emprestei para uma ex-amiga minha e nunca mais... na época, furei o disco de tanto ouvir. Tinha álbum de figurinha, tinha bottons e outras viadagens. E tinha também um especial de clips do Menudo que passava na Bandeirantes, acho que aos domingos. Que tudo!

Fiz meu pai levar eu e meu irmão para o show dos Menudos no Morumbi, naquele dia que deve ter chovido o suficiente para soterrar Atlântida. O show era às 19h, mas obviamente eu pentelhei o véio para chegar lá às 15h. E chovia, chovia, chovia! Nós, na arquibancada, ouvíamos o Gugu Liberato pedir no microfone para que as meninas na pista parassem de esmagar as pessoas na grade, que tinha show pra todo mundo.

Às 18h, depois que meu pai tinha quase virado um peixe, de tanta água, ele surtou e decidiu ir embora. Eu ameacei fazer biquinho, mas acho que o slogan Não basta ser pai, tem que participar tinha chegado ao limite do saco cheio. Ele foi nos arrastando até o carro, e eu lembro que a água batia quase nos nossos joelhos infantis. Resultado: o show começou às 22h, com playback, debaixo de uma chuva torrencial, eu assisti tudo no falecido Viva a Noite e depois tive que ouvir as crianças me contando tudo no dia seguinte. Fiquei morrendo de inveja. Mas hoje acho que meu pai se traumatizou...
Menudo
Essa semana eu vi em algum desses programas de auditório uma entrevista com nada mais, nada menos do que Roy, ex-integrante do Menudo da época em que éramos crianças inocentes e ficávamos horas na garagem ensaiando a coreografia de Não se Reprima, e achando lindo. O Roy era o meu amado na época, e confesso que revê-lo me provocou uma vontade quase incontrolável de rir. Pelo que eu pude entender, ele voltou ao Brasil para reencontrar uma filha que ele teve aqui há uns 16 anos, e que não via há 14 anos. Agora eu me pergunto quem é que foi desenterrar esse cara do limbo???????

E pensar que eu tinha por Roy uma paixão infantil. Ele foi a segunda, a primeira foi Luke Skywalker. Ou seja, os dois hoje são uns pelancas nada a ver. Como é fácil jogar nas cinzas os sonhos de uma criança...

terça-feira, maio 27, 2003

Dúvida
Por que nas novelas todo mundo sempre toca a campainha desesperadamente?
Mofo...
Estou fazendo um esforço sobre-humano para não levantar daqui, simplesmente ir embora pra casa e tirar o resto da semana para não fazer absolutamente nada. Hoje o bode tá amarrado!

sexta-feira, maio 23, 2003

Gafe...
Um rapaz que sofre de deficiência visual (ou seja, é cego, mas eu tinha que ser politicamente correta!) veio de Natal para São Paulo para visitar ontem os estúdios do programa Estádio 97, da rádio Energia 97, que fala sobre futebol e humor. Sombra, o chefe do programa, anuncia o rapaz: "Aqui está o Fulano, que sofre de deficiência visual, e veio lá de Natal para assistir nosso programa..."
Éééé do Arnaldo
A última do Arnaldo César Coelho, o brilhante comentarista acéfalo da Globo, durante o jogo entre Santos e Cruz Azul, do México. Em um dos gols do Santos, os mexicanos reclamaram de falta no goleiro - o jogador do Santos teria enfiado o pé na fuça do arqueiro. Quando a mala sem alça Galvão Bueno chamou Arnaldo para que emitisse sua idéia de ostra, o ex-juiz me sai com uma dessas: "Eu não daria a falta! O goleiro não tinha nada que estar com a cabeça lá!"
Merece uma Kaiser?
Semana passada fui ao Carrefour e, ao passar na área de bebidas para comprar Coca Light, notei uma mocinha da Kaiser tentando convencer os clientes a comprar a cerveja, que estava numa promoção sei lá do quê. O problema é que a coitada estava desesperada porque ninguém queria comprar a Kaiser, e todos iam direto para as latinhas de Skol. "Ah, não acredito que você vai deixar de tomar a Kaiser", brincava ela. "Desculpe, é que a Kaiser é muito ruim...", respondia o cliente, pegando as latinhas das concorrentes.

Depois da quinta tentativa sem sucesso, ela admitiu pra mim: "O pior é que eles tem razão. Kaiser é muito ruim, o que eu posso fazer?"
O rato Jerry
Mais uma da série Todos Conspiram Contra Meu Sono: há três dias meus pais fazem o maior escarcéu a madrugada toda por causa de um... rato. Isso mesmo, eles descobriram que há um camundongo morando lá em casa sem pagar aluguel, e, por causa disso, resolveram despejá-lo de qualquer maneira. A ação dos dois foi altamente enérgica: tirar meu irmão da cama para que ele fosse lá executar o serviço sujo.

O problema é que o roedor se recusa sistematicamente a cair na ratoeira e há 3 dias (ou madrugadas) vem dando um show de acrobacias circences em cima dos moradores da casa. Quando pensam que vão pegá-lo, ele faz Ooooooooooooléééé!! "Peguem-no!!", ordena meu pai. Oooooooooooooléééé! Ratinho foge, desaparece como num passe de mágica e todo mundo fica com cara de cu! O tempo passa e o animalzinho continua lá, vivo, forte e comendo todas as batatas da fruteira.

Meu pai, então, fica pentelhando meu irmão, que já deixou bem claro que não vai matar o rato e acabou. Ele que tente o suicídio e caia na ratoeira! "Porra, moleque, você é foda", resmunga o velho. Agora, ele enche o saco, mas não tem coragem de matar o bicho. Ele pode estar munido de uma AR-15, mas se o rato mostrar a língua ou balançar o rabo, meu pai dá um grito e sai correndo até o Japão.

E agora começou a fase das neuroses. Meu pai quer lacrar a casa inteira para o rato não entrar (da última vez, foi visto no quintal). Cismou que precisa trancar todas as portas, como se o rato tivesse um chaveiro. Ontem mesmo queria fechar uma fresta de 0,5 cm da porta de vidro, porque cismou que o rato passaria por baixo. "Pai, o rato não cabe nessa fresta", insistiu meu irmão. "Cabe, sim, ele se estica, vc nunca viu?". Eu sei lá que programas de ratos mutantes meu pai anda assistindo na TV para achar que aquele camundongo se assemelha ao andróide de Exterminador do Futuro 2, que vira metal líquido, atravessa uma parede e depois se recompõe.

Depois, meu pai cismou que o rato vai subir na mesa. Meu irmão sugeriu que afastasse as cadeiras, assim não teria como ele subir. Só que o véio cismou que o rato vai subir no armário e pular na mesa. "Porra, pai, o rato é Matrix agora?", resmungou meu irmão. "Ele pula, ele pula", insistiu o velho. Só dá pra imaginar o ratinho de óculos escuros pulando em câmera lenta, com um casacão preto de Neo...

Falta pouco para ele propor uma tocaia para pegar o animal. Só falta todos com roupas de Rambo, aquele capacete cheio de galhos de planta, rostos pintados e fazendo camuflagem, só para pegar um reles ratinho...

Acho que o rato vai acabar indo embora porque não aguenta tanta gente louca no ambiente. Em homenagem a ele, vamos cantar: "Ele é o maior, viva o Mickey Mouse!"

quarta-feira, maio 21, 2003

Aporrinhation
Chego da balada às 6h do último sábado e apago na cama. Já pensando que terei que levantar cedo para ir no churrasco de um amigo lá em Campinas e, portanto, nada de descansar o suficiente. Às 9h da manhã um lazarento desgraçado sem mãe me liga no celular. Quando eu atendo, completamente embriagada de sono, só escuto o babaca: "Aqui é da escola de inglês XYZ, você foi indicada pela sua amiga Fulana para concorrer a uma bolsa de estudos...". E antes que você consiga organizar seu pensamento para responder qualquer coisa, até porque você ainda está meio sonhando, ele já emenda uma metralhadora de telemarketing insuportável. "Nós vamos tar oferecendo... nosso método é tar aplicando... e você vai tar tendo desconto...", entre outras pérolas.

Até eu conseguir fazer o pentelho calar a boca e explicar que outra mala sem alça da escola de inglês dele já me ligou, já me aporrinhou e já foi até o meu trabalho para tar me mostrando a porra do método de ensino deles, foi um longo sacrifício.

E quem é o amigo da onça que me indica pra essas merdas? Vão apanhar!
Trim
Algumas perguntas que não querem calar sobre o uso de telefones celulares:

1) Por que as pessoas com o toque de celular mais chato e irritante são as que nunca estão no lugar quando o aparelho toca sem parar?
2) Por que a pessoa que está ligando não percebe que não tem ninguém do outro lado e desliga?
3) Por que, além de deixar tocar até cair na caixa postal, a pessoa liga de novo insistentemente?

segunda-feira, maio 19, 2003

Balada boy
Nesta mesma balada, no meio da madrugada apareceu um menino, que não deveria ter mais do que 10 anos, vendendo as tradicionais rosas em botão. Ele estava de terninho circulando entre as milhares de pessoas que dançavam ao som do putz-putz-putz-putz. Cinco minutos depois, quando eu olho pra trás, o moleque está dentro do camarote, dançando ensandecidamente e cercado de mulheres. Esse literalmente vai ser O cara!!!!!!! Segundo um amigo meu, esse, aos 17 anos, já estará no topo do mundo.
Demências
RJR na balada, depois de algumas JW One, comentando com a amiga sobre um cara que passou atrás dela: "Cada uma! O cara vem na balada parecendo um faxineiro!". A amiga: "Sua louca, ele É o faxineiro!"

Aliás, não é por nada, mas ele (o faxina's guy) simplesmente esqueceu um rodo encostado na parede do camarote. Sim, um rodo mesmo, o primo da vassoura! Aí eu e a turminha de dementes ficamos fazendo gracinhas com o artefato, até a hora que acertei sem querer a cabeça de uma menina. Nem preciso dizer que acabou a graça na hora...
Pipoqueiro
Falando nisso, meu pai é outro que vai frequentar uma reunião assim. "Oi, eu sou RJR Pai, hoje faz 5 dias que eu não como pipoca!" Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap!

Ele agora está desempregado, fica em casa coçando e anda sustentando a fábrica da Yoki. Todo dia ele enfia um saco de pipocas no microondas, deixa a casa inteira cheirando a manteiga e depois fica vendo TV, bebendo cerveja e fazendo cronch cronch com um balde de pipoca no colo. Isso quando não come mais de um pacote. E regula pra todo mundo. Você pede pipoca, ele te dá, no máximo, os milhos não estourados.
Vício
Falta pouco para eu frequentar reuniões do Alcoólicos Anônimos: "Oi, eu sou RJR, e hoje faz dois dias que eu não bebo Johnny Walker One!". Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap! Clap!
Taxi Driver
Ontem eu peguei um táxi e presenciei uma cena surreal. Eu e minha amiga Cris dissemos ao motorista que precisávamos ir ao endereço xis, mas que não sabíamos como chegar, porque nunca tínhamos ido lá. Com uma profunda voz de tédio, o motorista vira e diz: "Rua xis? Olha, eu não sei onde é...", e ficou quieto. "É só olhar no guia", recomendou Cris. "É, mas eu não sei, não..", responde o cara, com voz de quem não está nem um pouco a fim de mexer um dedo. Resultado, tivemos nós que pegar o guia, achar a rua e tentar quase que obrigar o cara a ir até lá - não descemos do táxi porque já tinha entrado com mala e tudo. Sem falar que ele nos deixou a muitos metros do local, porque entrou errado e a má vontade era tanta que nem nos atrevemos a pedir para ele dar a volta.

Cáspita, se ele tem tanto ódio assim de pegar passageiros e ganhar dinheiro, por que não ficou em casa?